livros

O Livro dos Baltimore, Joël Dicker

“Houve dramas, haverá outros e temos que continuar vivendo, apesar de tudo. Dramas são inevitáveis. No fundo, não importam muito. O que importa é como conseguimos supera-los”

 

Sinopse: O novo livro do autor de A verdade sobre o caso Harry Quebert. Marcus Goldman teve uma juventude inesquecível em Baltimore, ao lado dos primos e dos tios, a parte bem-sucedida de sua família e que ele tanto admirava. Mas a felicidade aparente não condizia com a realidade e o dia do Drama marcou o destino fatídico e inesperado de todos aqueles que ele mais amava.
Oito anos depois, Marcus ainda tenta montar o quebra-cabeça do Drama, lidar com as conseqüências e entender o que aconteceu. Desencavando o passado, reacendendo paixões e desvendando mistérios, ele decide escrever o próximo romance sobre sua família, numa tentativa de se libertar de antigos ressentimentos e redimir aqueles que foram punidos pelos infortúnios da vida. Rivalidade, traição, sucesso, paixão e inveja: abordando temas presentes na vida de todos nós, Joël Dicker constrói brilhantemente o retrato de uma juventude, destacando a força do destino e a fragilidade de nossas maiores conquistas.

Fonte: https://www.saraiva.com.br/o-livro-dos-baltimore-9401603.html

 

O Livro dos Baltimore é o segundo livro de Joël Dicker, que também escreveu A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert. O Livro dos Baltimore não é uma continuação do primeiro livro, mas existe uma relação entre as duas obras, já que o protagonista dos dois livros é o mesmo, Marcus Goldman.

No segundo livro de Dicker, Marcus, um escritor famoso, que publicou seu primeiro livro no começo da história de A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert, resolve que vai escrever sobre a história de sua família paterna, mas especificamente sobre seus primos, de quem ele era muito próximo durante toda a sua infância, adolescência e começo da vida adulta.

Eu tenho que confessar que já comecei a leitura com um pé atrás, eu li A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert no ano passado e não achei um livro incrível, achei que a história era meio clichê e que no final, o autor criou uma trama rocambolesca desnecessária para deixar a conclusão cada vez mais absurda e o pior de tudo, eu fiquei legitimamente incomodada com a maneira que o autor tratou o tema principal do livro. O primeiro livro de Dicker conta a história de um antigo professor de Marcus, que vive em uma casa a beira-mar em uma cidade pequena dos Estados Unidos, aonde é encontrado, enterrado no jardim, o corpo de uma jovem de 15 anos, desaparecida desde 1975. Harry, o professor admite ter tido um caso com a garota, mas diz que não a matou. A sinopse do livro soa interessantíssima, porém em nenhum momento do livro, o caso entre Harry e a menina de 15 anos é condenado, muito pelo contrario, Harry alega que os dois viveram uma história de amor e o mais perturbador é que Marcus, que está investigando o caso, também acha isso e Harry termina o livro como um pobre coitado que não teve seu amor compreendido. Não que não existam relações entre homens mais velhos e meninas menores de idade, e não que isso não possa aparecer em livros ou filmes, eu só espero que isso não seja normatizado e pior ainda, tratado como uma linda história de amor.

Embora A Verdade Sobre o Caso de Harry Quebert tenha esse problema, ele também tem bastante suspense e é capaz de prender o leitor por muitas páginas, isso não acontece em O Livro Dos Baltimore. O autor até tenta um suspense, já que embora nós leiamos sobre os primos de Marcus o tempo todo, nós nunca os vemos e já que Marcus fala o tempo todo sobre “O Drama”, algo que aconteceu no começo dos anos 2000 e acabou com a cumplicidade entre os primos e automaticamente separou a família, mas não é um mistério que realmente emplaca. Não é muito difícil deduzir o que aconteceu com os primos de Marcus.

A história desse livro também não é tão interessante quanto a história do primeiro livro e se O Caso de Harry Quebert contava a história de praticamente uma cidade inteira, O Livro dos Baltimore fica muito focado na família de Marcus, e em sua antiga paixão, Alexandra.

Os dois livros são escritos da mesma maneira, com momentos que se passam nos dias de hoje e flashbacks da infância de Marcus, tudo indicado pelo autor. Essa técnica é interessante e funciona bem, porque podemos entender que impacto o passado teve no futuro, mas como no primeiro livro, o final desse é mais uma vez, bem rocambolesco, como se o autor tivesse cada vez uma idéia maior e mais absurda e não se decidisse por nenhuma, várias vezes durante a leitura, eu tive a impressão de que alguma coisa ia ser revelada, mas era só mais um acontecimento que não levava á nenhum ponto importante.

Em alguns momentos do livro, as situações acontecem muito rapidamente e não são explicadas da maneira correta, e em muitas ocasiões, o que estava acontecendo no livro me parecia tão absurdo que eu não conseguia acreditar na história, a impressão que eu tive é que o autor queria tanto ressaltar que os três primos Goldman eram tão excepcionais que todos os tipos de autoridades se curvavam a eles e de que tudo na vida deles dava certo. Isso, junto com alguns diálogos, que não pareciam reais, deixou o livro um pouco artificial para mim.

Agora a coisa que mais me incomodou nesse livro foi o personagem principal, que é extremamente prepotente e cheio de si, é muito difícil acompanhar e torcer por um personagem que se acha a pessoa mais importante do universo. No primeiro livro, o personagem era mais humilde e duvidava de si mesmo em alguns momentos, tornando o personagem real, talvez a idéia do autor tenha sido justamente dizer que agora que Marcus é um autor publicado, que já teve até seus livros adaptados para o cinema, ele não é mais o mesmo Marcus do primeiro, se for esse o caso, esse é um ponto interessante na evolução do personagem, mas só me pareceu, durante a leitura que Marcus se achava a pessoa mais famosa, inteligente e importante do mundo, junto com seus primos, claro.

O livro tem algumas idéias interessantes, como por exemplo, usar o mesmo protagonista do livro anterior, e fazer com que ele re-visite coisas do seu passado, também é interessante a idéia de apresentar a família de Marcus e a leitura é extramente fácil, principalmente mais para o final, quando o leitor está interessado em saber a resolução dos mistérios que foram apresentados, mas de uma maneira geral, o livro é morno e não impressiona muito.

 

 

Origem: NACIONAL

Editora: INTRINSECA

Edição: 1

Ano: 2016

Assunto: Romances

Idioma: PORTUGUÊS

País de Produção: BRASIL

Código de Barras: 9788580579765

ISBN: 8580579767

Encadernação: BROCHURA

Altura: 23,00 cm

Largura: 16,00 cm

Comprimento: 2,00 cm

Peso: 0,55 kg

Complemento: NENHUM

Nº de Páginas: 416

Créditos da imagem: https://www.skoob.com.br/o-livro-dos-baltimore-631649ed632937.html

 

Um comentário em “O Livro dos Baltimore, Joël Dicker”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s