livros

O Vendido, Paul Beatty

“E este país, sendo o homossexual enrustido do ensino médio que é, sendo o mulato que passa pó branco que é, sendo o neandertal que fica o dia inteiro desfazendo a monocelha que é, precisa que os outros gostem dele. Precisa ficar jogando bolas de beisebol em alguém, precisa dar porrada em gays, espancar negros, invadir, embargar. Qualquer coisa que, como o beisebol, evite que um país que está o tempo todo olhando vaidoso para o espelho realmente olhe para o espelho e lembre onde os corpos estão enterrados”.

 Nascido em um subúrbio de Los Angeles, Eu, o narrador de O Vendido, foi criado por seu pai, um sociólogo, que vivia realizando estudos raciais com o próprio filho. Quando seu pai morre subitamente em um tiroteio e o narrador fica sabendo que Dickens, sua cidade vai deixar de existir, ele resolve usar de uma política polemica para salvar a cidade: uma segregação racial às vezes.

O Vendido é um livro interessante, começando pelo seu narrador. O livro é narrado em primeira pessoa e o leitor não fica sabendo o nome do narrador personagem em momento nenhum, ele se chama apenas de “Eu”. Essa técnica nos coloca bem próximo dele e da mesma maneira, próximo da história.

Por isso, é muito fácil e muito rápido mergulhar na trama de O Vendido e logo nós já estamos torcendo por esse narrador e pela cidade de Dickens, ai aparece outra questão interessante. O narrador de O Vendedor não é o personagem mais agradável que você vai conhecer e nem poderia, ou deveria ser enquadrado na categoria de “mocinho”.

Não que isso seja extremamente importante, uma vez que um livro como O Vendido não trabalha em bases tão simplistas quanto essas, já que a ideia de Paul Beatty é retratar e criticar a realidade.

O narrador de O Vendido tem opiniões e atitudes um tanto quanto questionáveis, começando com a política de segregação, mesmo que ao contrario, que ele resolve empregar em Dickens, então, quando você simpatiza e torce por um personagem assim, você está simpatizando por alguém que não é tão bom assim, ou que é, humano.

Isso mostra a grande habilidade de escrita de Beatty, o livro é narrado por Eu e só lemos o seu ponto de vista, o que nos deixa preso a ele, mesmo que ele não seja o protagonista clássico. Essa sensação de simpatia se potencializa quando ficamos conhecendo outros personagens do livro, que são, na maioria dos casos, muito piores que o narrador.

O Vendido é uma critica a sociedade americana e pode funcionar melhor com o público americano, que vai captar todas as referências, mas ainda faz sentido para os brasileiros. O livro se foca majoritariamente em personagens negros e foi escrito por um autor negro, por isso, é impossível fugir de questões raciais, o livro faz a sua própria critica ao preconceito. O Brasil é um país que tem mais negros do que brancos, dessa maneira, também pode se identificar com o conteúdo do livro.

Outro ponto interessante de O Vendido é que embora Beatty coloque os seus personagens em situações fictícias e muitas vezes surreais, elas parecem extremamente reais, O Vendido funciona mais ou menos como uma parodia da realidade. O que lemos não é verdade, mas tem um eco na realidade.

Paul Beatty, o autor do livro poderia ter feito de seu livro uma não-ficção ou um estudo, ou ainda que o fizesse uma ficção, poderia escolher retratar o seu tema de maneira mais séria e talvez sentimental, mas não é nada disso que ele faz. Beatty escreve de maneira irônica e divertida, mesmo que em muitos momentos absurda. Algumas situações que se acontecessem na vida real, seriam criminosas, no livro são tratadas de maneira irônica.

É dessa forma que O Vendido se torna um livro extremamente divertido, ao mesmo tempo em que passa a sua mensagem, provando que a ficção é o melhor lugar para falar de assuntos relevantes e que devem ser debatidos.

O Vendido não é um livro pequeno (302 páginas), mas a leitura é muito rápida, justamente porque é agradável e em função do tom irônico de Beatty.

Com uma linguagem irônica e temas sérios e profundos, O Vendido é um livro incrível, que entrega a sua mensagem com perfeição.

Titulo no Brasil: O Vendido
Título original: The Sellout
Autor: Paul Beatty
Gênero: Drama, Ficção
Ano de lançamento: 2015
Editora: Todavia
Número de Paginas: 302

Foto: Fernanda Cavalcanti

Um comentário em “O Vendido, Paul Beatty”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s