Crime real, livros

I Know My First Name Is Steven, Mike Echols

“There’s some times that you just have to go along with things. You have to learn to never say never, because you never know when you’re gonna have to do something just to survive”. – Steven Stayner

“Algumas vezes você tem que aceitar as coisas. Você tem que aprender a nunca dizer nunca, porque você nunca sabe quando vai ter que fazer algo só para sobreviver”. –  Steven Stayner -Traduzido livremente por Fernanda Cavalcanti

Em dezembro de 1972, Steven Stayner, de sete anos, voltava da escola para casa, quando foi atraído por um homem que dizia conhecer seus pais e que ele tinha sido mandando para buscar o garoto. Steven acreditou na história sem saber que Kenneth Parnell, o homem que o chamava era um pedófilo que já tinha inclusive uma acusação, e que ele planejava sequestra-lo.

Steven Stayner aos sete anos

Steven entrou no carro e começou a estranhar quando eles se afastaram completamente da casa onde ele viva com a família. Os dois passaram a noite em um hotel, onde Parnell o molestou e disse que a família de Steven tinha dado o garoto para ele e que agora, ele seria o seu novo pai.

Parnell e Steven então, se mudaram e passaram sete anos fingindo que eram pai e filho – Parnell inclusive mudou o nome de Steven para Dennis Parnell – ao mesmo tempo que Parnell molestava Steven.

A situação só mudou quando, sete anos depois, Parnell sequestrou outro garoto, Timothy White, de cinco anos. Timothy pediu que Steven o levasse para casa e logo o adolescente notou que Timothy também seria molestado e fugiu levando o garoto com ele.

Parnell e Steven

I Know My First Name Is Steven começa trabalhando em duas histórias diferentes: a de Kenneth Parnell e a de Steven Stayner. Parnell nasceu em 1931 e quando criança também foi molestado. Já adulto, ele sequestrou um menino, levou para um lugar deserto e o molestou, depois devolveu o menino para a família. Parnell chegou a ser acusado, mas não foi preso, o que possibilitou que anos depois ele sequestrasse e mantivesse Steven Stayner em cárcere por sete anos.

Já Steven nasceu em 1986, em uma família grande e amorosa. Steven tinha um irmão mais velho, Cary e três irmãs. Sua relação com seu pai, Delbert era muito boa.

As vidas de Steven e Parnell se conectam de maneira irremediável em 1972, quando Parnell convence Ervin Edward Murphy a ajuda-lo a sequestrar um garoto. Murphy tem o seu próprio perfil descrito no livro com a intenção de explicar como ele se colocou em uma situação criminosa, segundo os entrevistados e o autor do livro, Murphy sempre foi solitário, por isso se apegava com muita facilidade a qualquer pessoa que lhe desse atenção, Parnell foi uma dessas pessoas. Segundo Murphy, Parnell disse que queria criar uma criança como se fosse seu filho e quando Murphy sugeriu que ele se casasse e tivesse seu próprio filho, Parnell respondeu que isso seria muito trabalhoso e que, portanto, seria mais fácil sequestrar uma qualquer.

Steven aos quatorze anos, quando fugiu da casa de Parnell

Parnell fez parecer que ele ia pegar qualquer criança que aparecesse, mas segundo Murphy ele parecia focado em Steven, dando a entender que ele passou um tempo observando o menino e o escolhendo.

Parnell convenceu Steven a entrar no seu carro dizendo que ele conhecia seus pais e tinha sido mandando para buscar o menino. Steven só estranhou quando o caminho começou a ficar desconhecido.

Steven então, passou sete anos vivendo com Parnell, que mudou seu nome para Dennis e falou para o menino que agora tinha a guarda dele. Os dois mudavam de cidade constantemente, e Steven, agora com o nome de Dennis, ia para a escola normalmente.

Steven e Timothy White, durante uma entrevista

Depois do sequestro de Steven, I Know My First Name Is Steven começa a falar de como era a vida conjunta de Steven e Parnell, onde os dois fingiam ser pai e filho, ao mesmo tempo que Parnell molestava Steven com frequência.

E é a partir daí que a história de Steven começa a ficar cada vez mais surreal. I Know My First Name Is Steven cita uma série de amigos que Steven fez ao longo do tempo em que viveu com Parnell, que frequentavam a casa dos dois e alguns dele até dizem que ouviram Steven falar que Parnell não era seu pai, mas aparentemente, ninguém levou o que Steven falou a sério. Parnell também estimulava que os amigos de Steven visitassem a casa, com a intenção de que pudesse molestar os garotos também e alguns deles, de fato foram molestados pelo homem.

Mais tarde, Parnell arruma uma namorada, que também tem filhos. Um dos filhos da mulher foi molestado por Parnell e a namorada dele costumava fazer sexo com Steven.

A estatua em homenagem a Steven

A história de Steven é impressionante por vários motivos. O primeiro é o fato de que o seu sequestro e cárcere é bem diferente do que a gente imagina que seja um caso de cárcere, Steven nunca ficou fisicamente preso, ele ia a escola todos os dias, saia com amigos, dormia na casa de outras pessoas, ia em festas e em muitos aspectos tinha uma vida de adolescente normal. No entanto, ele continuava vivendo com Parnell, mesmo sofrendo abusos.

O autor analisa qual seria o motivo para Steven ficar com Parnell mesmo sentindo falta de sua família e sendo molestado constantemente. Steven foi raptado quando era muito novo e ouviu de seu sequestrador que seus pais tinham dado ele para Parnell, uma história que para qualquer pessoa adulta parece absurda, mas que pode surtir efeito em uma criança. Steven teve seu nome mudado e sua personalidade alterada, depois que voltou para casa, ele disse que embora soubesse que seu primeiro nome era Steven – frase que dá título ao livro –, ele nunca soube qual era seu nome do meio. A personalidade de Dennis acabou se infiltrando em Steven e ele teve certeza e aceitou que aquela era a vida dele. Parnell, era afinal, a única figura de autoridade que ele tinha naquele ponto da sua vida.

Além disso, Steven sempre teve uma relação muito próxima com seu pai e quando passou a viver com Parnell, que se comportava como uma mistura de pai e abusador, Steven sentiu que aquela era a relação paternal mais próxima que ele tinha e tentou se adaptar a isso.

Kenneth Parnell

A segunda coisa surreal na trama de Steven é o fato de que, aparentemente, várias pessoas sabiam que Steven não era filho de Parnell, e algumas inclusive sabiam dos abusos a qual Steven era submetido, mas ninguém achou que deveria denunciar alguma coisa. Amigos de Steven ouviram ele falar de sua verdadeira família, a namorada de Parnell sabia que ele molestava Steven e também molestou o menino e vários garotos que frequentavam a casa de Parnell também foram molestados, no entanto, ninguém foi capaz de acabar com o sequestro de Steven.

I Know My First Name Is Steven também fala um pouco de como a família de Steven continuou procurando o menino, sem perder a esperança e de como isso, invariavelmente atrapalhou a vida dos outros membros. Cary, o irmão mais velho de Steven sentiu que o sumiço do irmão era sua culpa e que ele deveria ter o protegido, o pai de Steven, que era muito próximo do filho, nunca se recuperou.

Steven passou sete anos com Parnell, mas quando ele fez quatorze anos, o sequestrador começou a perder o interesse, nessa época, segundo o próprio Steven, as relações sexuais entre os dois eram cada vez menos frequentes. Parnell então, pagou outro garoto da região para sequestrar Timothy White, que na época tinha cinco anos.

Steven reencontra a mãe

É aí que a vida de Steven, que parecia conformado, muda completamente. Quando Timothy chega, ele logo pede para que Steven o leve embora e o adolescente percebe que Timothy vai ser a próxima vítima de Parnell. Enquanto pensa no que fazer, Steven começa a voltar mais cedo da escola, com a intenção de não deixar Parnell e Timothy sozinhos, inviabilizando o abuso do menino.

Mike Echols também especula que Steven pode ter sentido ciúmes de Timothy e da atenção que ele estava recebendo de Parnell, uma vez que tinha passado sete anos com o homem, e tinha sido o único foco de atenção durante todo esse tempo, mesmo que essa atenção fosse em muitos momentos, negativa. Tudo isso começou a fermentar na mente de Steven, que planejou uma fuga, junto com Timothy.

Um dia, depois que Parnell saiu para trabalhar, os dois saíram de casa e pegaram carona até a cidade onde a família de Timothy morava, onde Steven planejava deixar o menino na casa dele e voltar para Parnell. Quando chegaram no lugar, no entanto, Timothy não foi capaz de informar seu endereço e Steven o levou para uma delegacia. A movimentação do lado de fora da delegacia, chamou a atenção de um policial que foi até os dois meninos e perguntou quem eles eram e foi quando Steven proferiu a famosa frase: “eu sei que meu primeiro nome é Steven”.

Steven e o pai

I Know My First Name Is Steven também fala sobre a volta de Steven para casa e de como ele foi transformado em um herói, ganhando inclusive uma estátua em sua cidade natal. A sua adaptação em casa, por outro lado, foi um pouco mais difícil. Quando vivia com Parnell, Steven passou a usar drogas e beber, comportamentos que eram estimulados pelo sequestrador, além disso, o adolescente tinha praticamente a liberdade de um adulto. Esses costumes se chocaram com os costumes que a família Stayner mantinha, e se somou ao fato de que seus pais e seus irmãos, esperavam receber de volta um garotinho de sete anos e não um adolescente de quatorze cheio de vícios, manias e traumas.

O livro ainda fala sobre o julgamento de Parnell, onde Steven aceitou depor e falar sobre todos os abusos que tinha sofrido, que até aquele momento ele vinha mantendo em segredo.

A história de Steven é surpreendente em muitos sentidos, afinal, ele passou de vítima a herói e salvou Timothy de ter o mesmo destino que ele. Ao mesmo tempo, a lavagem cerebral que sofreu por parte de Parnell é clara e trágica, ele teve chances de fugir muitas vezes ou mesmo de contar a verdade para alguém que pudesse o tirar daquela situação, mas nunca o fez.

Steven e Timothy

I Know My First Name Is Steven está focado em contar a história de Steven, mas parece natural que ele aborde a vida de todos que estavam envolvidos diretamente no caso e a edição vem com posfácio que conta a história de Cary Stayner, que nos anos 90, matou quatro mulheres. Cary aparece pouco durante a história de Steven, mas ele diz que sempre se sentiu culpado por não ter protegido seu irmão e que rezava toda noite para que Steven voltasse para casa, mas além disso, ele também se sentiu rejeitado por uma família que estava ocupada em procurar um filho desaparecido, e mais tarde, se sentiu diminuído quando o irmão mais novo não só sobreviveu a um calvário de sete anos, como voltou para casa como um herói. Nada disso justifica os crimes que Cary cometeu, mas fica claro que o sequestro de Steven destruiu muito mais do que a vida de Steven.

A história de Steven Stayner tem aspectos trágicos do começo até o fim, ela começa com um menino de sete anos sendo sequestrado, molestado e preso por um pedófilo, que passou a adolescência lidando com sua situação através de vícios. Depois que voltou para casa, Steven não conseguiu conviver com a sua família e nem mesmo com seu pai, com quem ele se dava bem antes de tudo acontecer. Delbert nunca aceitou o que aconteceu com seu filho e nem o fato de Parnell ter passado mais tempo com Steven do que ele.

Steven se casou e teve dois filhos, mas passou a vida com medo que Parnell voltasse para sequestra-lo novamente, ele morreu em um acidente de moto em 1989, quando tinha apenas vinte e quatro anos. Cary, o irmão de Steven, se tornou um serial killer. Os pais de Steven, como grande parte dos casais que perdem filhos, se divorciaram. Timothy White, que graças a Steven, não sofreu nenhum abuso, teve uma vida relativamente normal e inclusive, fez um discurso no velório de Steven, mas morreu de embolia pulmonar em 2010, aos trinta e cinco anos, dando a toda a história um clima de maldição.

Timothy White e a mãe

Já Parnell, o grande culpado, foi julgado apenas pelos sequestros dos dois meninos e não por ter molestado Steven e recebeu uma pena de sete anos, mas só cumpriu cinco. Em 2004, Parnell foi pego tentando comprar uma criança de quatro anos e finalmente foi condenado a vinte e cinco anos de cadeia. Ele morreu em 2008, aos setenta e seis anos, tendo vivido muito mais do que os dois garotos que ele sequestrou.

É óbvio que a história de I Know My First Name Is Steven é extremamente interessante, mas ela também é muito triste e além disso, o livro certamente não é para quem tem o estomago fraco, uma vez que ele descreve com detalhes os abusos que Steven sofreu. O crime retratado é de natureza sexual, por isso, o livro não tem muitas cenas de violência ou de sangue, – além claro da violência dos abusos sofridos por Steven – mas isso não faz com que a história seja leve.

Além da história apresentar Steven Stayner que não é só um sobrevivente, mas também um herói, que se compadeceu da situação de Timothy e pensou que ele jamais deveria sofrer o que o próprio Steven sofria, mesmo que isso colocasse um alvo na cabeça de Steven, I Know My First Name Is Steven apresenta uma dinâmica assustadora e surreal entre Steven e seu sequestrador. Parnell era seu abusador, mas também era seu pai e Steven se via dividido entre as duas figuras. Nas entrevistas que Steven deu a Echols, ele deixa claro que a vida com Parnell não era propriamente ruim, embora ele sentisse falta de seus pais e de sua casa, mas que o que ele achava especialmente terrível eram os abusos sexuais e ao mesmo tempo que ele diz que Parnell o tratava como filho, ele também diz que pedia para ele evitar algumas práticas sexuais, mas que era ignorado, afinal, tudo sempre era “do jeito que Parnell queria”.

Cary Stayner, irmão mais velho de Steven, que matou quatro mulheres

Para o leitor fica claro que embora Steven seja obviamente uma pessoa muito forte, é óbvio que o sequestro e a relação forçada de sete anos com Parnell, mexeu com a sua cabeça e o deixou com muitos traumas mesmo que ele não falasse muito sobre isso.

A leitura de I Know My First Name Is Steven é muito rápida e prende o leitor, embora obviamente não seja nada fácil, uma vez que fala de um sequestro e tem cenas bem explicitas de abuso envolvendo uma criança de sete anos.

No entanto, uma história como essa e uma personalidade como a de Steven merece ser conhecida, uma vez que sua vida foi roubada em todos os sentidos da palavra.

Título original: I Know My First Name Is Steven

Autor: Mike Echols

Gênero: Crime Real, Suspense, Policial

Ano de lançamento: 1991

Editora: Pinnacle – Kensington

Número de Páginas: 300

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s