livros

O Homem de Giz, C.J. Tudor

“As pessoas acham que a vida das crianças é desprovida de preocupações, mas isso não é verdade. As inquietações das crianças são maiores porque somos menores”.

Em 1986, Eddie tem doze anos e passa os dias andando de bicicleta com seus melhores amigos, Nick, Gav, Mickey e Hoppo. Os cinco se comunicam através de homenzinhos de giz desenhados nas ruas da cidade, até o dia em que os desenhos os levam até o corpo decepado de uma adolescente.

Em 2016, Eddie, agora um homem adulto, ainda vive na mesma cidade, assim como Gav e Hoppo, quando Mickey, que saiu da cidade, retorna e pede para conversar com os antigos amigos. Além disso, todos eles recebem mensagens lembrado dos acontecimentos de 1986.

Se você achou que a sinopse de O Homem de Giz tem uma leve semelhança com as sinopses dos livros de Stephen King, você está certo, porque o livro de fato é extremamente influenciado pelas obras do autor e mais especificamente por A Coisa.

O Homem de Giz também é um livro de terror, protagonizado por crianças, que vai e vem no tempo e que acompanha acontecimentos macabros de um verão, que deveria ser idílico. Os próprios personagens e a interação entre eles se parecem muito com os personagens de A Coisa, Eddie, o protagonista, é também o líder do grupo, Gav é o garoto gordinho, Mickey, o engraçado, Hoppo, o sensível e Nick, a única menina é ruiva e tem um pai, que é intolerante e violento. Obviamente, Eddie está apaixonado por Nick e ela nem parece notar.

A trama também se passa em uma cidade pequena, onde os adultos fingem não ver o que acontece com as crianças e onde algo muito estranho está acontecendo, embora O Homem de Giz não tome caminhos sobrenaturais, como normalmente acontece nos livros de King.

As semelhanças não param por aí, a maneira com que Tudor escreve é bem parecida com a de King e a sensação que se tem quando se lê o livro é bem próxima, mesmo que não seja igual. A Coisa, no entanto, tem uma trama bem mais intricada, que liga a cidade a todos os acontecimentos que dizem respeito as crianças. Embora a ideia das duas obras seja colocar crianças perdendo a inocência e descobrindo a vida adulta, O Homem de Giz não se sai tão bem assim. A própria autora admite a inspiração de King no seu trabalho, mas o livro parece mais como se alguém tivesse tentando imitar King, mas não se saísse tão bem, quase como se ela tivesse tentando reescrever A Coisa, mudando alguns detalhes.

O Homem de Giz não é por si só, um livro ruim, o mistério é interessante e a trama prende o leitor, para quem gosta de terror e suspense, ele é, na realidade, um prato cheio, mas para quem está acostumado com as obras de King, o livro soa como uma versão menos interessante e até previsível.

A amizade do grupo, por exemplo, não é tão real quanto a dos personagens de A Coisa ou mesmo de O Corpo, conto do livro Quatro Estações e em uma trama onde eu preciso necessariamente acreditar na amizade de seus personagens, fica difícil comprar as brigas bobas e os motivos estrupidos pelos quais eles se separam. Boa parte dos acontecimentos do livro também são narrados do ponto de vista de Eddie, que é o narrador em primeira pessoa, por isso, não sabemos a opinião de seus amigos ou o que eles fazem quando não estão perto do protagonista, e nem conseguimos nos aproximar totalmente deles, estamos completamente imersos na opinião e nas aventuras de Eddie e todos os outros personagens são apenas os amigos dele, que podem, inclusive, serem confundidos um com o outro.

O livro também aborda questões que não falam diretamente com as crianças, mas que afetam suas vidas. Os adultos podem não compreender as crianças e nem acreditarem nela, mas os pais conversam com seus filhos e em muitos momentos, acompanhamos aflições que dizem respeito a eles, como o trabalho da mãe de Eddie, que parece ser um problema na cidade e a violência do pai de Nick. No entanto, O Homem de Giz abraça tantos temas e tantas questões, que quase não desenvolve nenhuma delas, no final, a sensação é de que de fato, estava acontecendo muita coisa na cidade nos anos 80, mas que não nos aprofundamos em nenhuma delas.

O mistério de O Homem de Giz é intricado e leva ao leitor a becos sem saída antes de entregar, definitivamente, suas revelações, e justamente por isso, prende, embora depois de um tempo, toda essa trama confusa e com muitos elementos possa parecer enrolação e deixe o livro um tanto rocambolesco. Algumas das soluções de Tudor soam um pouco absurdas, mas não é nada que não seja comum em livros do gênero.

É bom ressaltar que O Homem de Giz não é mal escrito e que seu suspense é, sem dúvida nenhuma, interessante, mas o livro não é nada original e é quase impossível perceber a voz da autora, uma vez que ele soa como uma tentativa de ser Stephen King.

A leitura, no entanto, é rápida e prazerosa, o mistério não é óbvio e em muitos sentidos, é até difícil de desvendar, o que acontece é que o livro promete muito e não entrega tanto, especialmente para quem já está muito acostumado ao gênero.

Com uma trama interessante e personagens bem construídos, O Homem de Giz tenta a todo custo se assemelhar a outros autores e por isso, perde sua originalidade e soa como uma cópia de uma cópia.

Título no Brasil: O Homem de Giz

Título Original: The Chalk Man

Autora: C.J. Tudor

Tradução: Alexandre Raposo

Gênero: Suspense, Thriller, Terror

Ano de lançamento: 2018

Editora: Intrínseca

Número de Páginas: 272

Foto: Fernanda Cavalcanti

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s