Adaptações, filmes

Filme: O Apocalipse, 2014

Chloe Steele (Cassi Thomson) decide voltar para a sua cidade natal para comemorar o aniversário de seu pai, Rayford Steele (Nicolas Cage), mas logo descobre que o casamento de seus pais está em crise, pois sua mãe, Irene (Lea Thompson) se tornou uma cristã devota e que Rayford, que é piloto de avião, tem um vôo para Londres naquele final de semana.

Enquanto está no aeroporto, Chloe vê seu pai flertando com uma aeromoça (Nicky Whelan) e conhece o jornalista Buck Williams (Chad Michael Murray), que está prestes a embarcar no avião de Rayford.

Mas logo o mundo muda de maneira inesperada e de repente, uma série de pessoas simplesmente desaparece da terra e também do avião que Rayford pilota, deixando para trás Chloe, Rayford e Buck, que agora precisam entender o que acontecer e descobrir como sobreviverem ao que aparentemente, é o apocalipse.

O Apocalipse é inspirado no livro Deixados Para Trás, de Jerry B. Jenkins e Tim LaHaye.

O Apocalipse é um filme relativamente bem fiel a sua obra original e a ideia do filme é bem simples: o mundo passou por uma espécie de arrebatamento, onde apenas as crianças e as pessoas “puras” foram levadas para o céu, enquanto as pecadoras e que precisam se arrepender permaneceram na terra. O filme se foca em alguns personagens que vão se ver nessa situação.

Chloe que retorna para sua cidade natal esperando comemorar o aniversário de seu pai, mas acaba frustrada no aeroporto, Rayford, o pai de Chloe que foge de casa porque sua esposa está cada vez mais envolvida com a religião e Buck, um jornalista que conhece pai e filha no aeroporto.

A grande questão com O Apocalipse é que ele se baseia em uma perspectiva totalmente cristã, então, o arrebatamento diz respeito especificamente ao que está escrito na bíblia e ao que a religião católica considera “certo” ou “errado”. As crianças, que são naturalmente puras, desaparecem automaticamente, e claro que pessoas cristãs como Irene também são arrebatadas. Chloe, que zomba da fé de sua mãe e Rayford, que já não aguentava mais a esposa e estava flertando com a aeromoça são deixados para trás.

A partir daí, os personagens precisam pensar no que fizeram de errado e naturalmente, como pede a religião cristã, se arrepender. Só por essas questões, O Apocalipse já não é um filme propenso a agradar todo mundo, uma vez que não só é praticamente um panfleto sobre a religião e sobre tudo que ela acredita e prega, como também tem uma trama que é difícil de comprar, somado então, a uma série de julgamentos que o filme praticamente esfrega na cara do espectador (como por exemplo, a filha que não é arrebatada porque não acreditava na religião da mãe ou um mulçumano, que está no vôo de Rayford que é ofendido o tempo todo e que obviamente, também não é arrebatado), fica claro que O Apocalipse é um filme feito para os cristãos.

E de certa maneira, está tudo bem, afinal, existe público para qualquer tipo de filme, mas O Apocalipse peca em vários outros sentidos. O fim do mundo é um assunto comum no cinema e existe uma série de filmes que abordam esse tema, ainda que em cada um o apocalipse aconteça de maneira diferente e por motivos diferentes, o de O Apocalipse não é especialmente criativo e repete uma série de clichês. Infelizmente, O Apocalipse também não pode se encaixar na categoria de filme de desastre, que podem ser divertidos em alguma medida, já que os únicos desastres retratados são os que se dão porque as pessoas desapareceram de repente, como por exemplo, batidas de carros.

Os aspectos técnicos de O Apocalipse também deixam muito a desejar, desde o roteiro que é óbvio, caricato e tendencioso, passando pelos efeitos especiais, que são questionáveis, até as atuações, que são ruins. Tudo é muito exagerado e muito melodramático, mas nem poderia ser diferente em um filme que apela para a culpa católica em todos os momentos e que se acha no direito de determinar quem é bom o suficiente para ir para o céu, a partir de princípios exclusivamente presentes na bíblia.

Quase nada se salva em O Apocalipse e a tendência é que o telespectador só sinta raiva de um roteiro que não se preocupa em se aprofundar nos seus personagens e que tem uma mensagem muito clara, ainda que possivelmente errada, a passar.

Embora seja uma obra fiel ao livro que a inspirou – que é um pouco mais discreto em relação as mensagens que quer passar – O Apocalipse não apresenta um apocalipse especialmente inovador e nem um roteiro muito interessante, e acaba se tornando chato e cansativo.

Título no Brasil: O Apocalipse

Título original: Left Behind

Direção: Vic Armstrong

Gênero: Ação, Ficção científica, Suspense

Nacionalidade: Estados Unidos

Ano: 2014

Duração: 1h 50min

Elenco: Nicolas Cage, Chad Michael Murray, Lea Thompson, Nicky Whelan, Cassi Thomson

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s