livros

Primeiras impressões: A Batalha de Monte Dourado, Hector Leandronic

Na pequena cidade de Monte Dourado, a família Kellerstrauss divide o espaço com a tribo Brownensteins, mas mesmo assim, a relação tem seus percalços, que atinge o seu auge quando os Kellerstrauss encontram ouro em um rio, que os Brownensteins dizem ser deles.

As duas famílias, no entanto, vão ter que se unir, quando uma gangue de ladrões de trem, que ameaça a todos, chega a cidade.

A Batalha de Monte Dourado é um faroeste, um gênero não tão comum na literatura, mas bem comum no cinema americano. O faroeste também tem aspectos e elementos muito claros, que são facilmente reconhecidos, entre eles cowboys, povos indígenas, duelos e bares ou bordeis.

A Batalha de Monte Dourado tem muitos desses elementos, mas em alguns momentos, sai dos estereótipos e apresenta aspectos diferentes e inovadores. Aqui acompanhamos a família Kellerstrauss, conhecida na cidade por seus tabacos e suas bebidas, e que também não foge de brigas e problemas e a tribo Brownensteins, que também vive na região. Os Kellerstrauss e os Brownensteins mais se aturam do que se dão bem, mas a harmonia se mantém na maioria dos dias, até que os Kellerstrauss encontram ouro nas terras dos Brownensteins.

A ideia de uma briga entre famílias, por exemplo, não nos remete diretamente ao gênero do faroeste e isso pode ser usado quase em todos os gêneros, o que de uma certa maneira, deixa A Batalha de Monte Dourado uma história um tanto quanto universal, embora nesse caso, esteja dentro do gênero do faroeste.

Também é interessante notar que mesmo com essa questão que caberia em uma trama de qualquer gênero, a história cai muito bem dentro do faroeste e é bem trabalhada pelo autor.

A Batalha de Monte Dourado também apresenta vários personagens, o que algumas vezes pode ser confuso, mas que mais uma vez tem um certo sentido dentro de uma trama que pretende falar sobre uma família e uma tribo. Outro ponto alto é que Hector Leandronic tem uma maneira bem interessante de descrever seus personagens.

A linguagem de Leandronic é muito divertida e ele dá características e detalhes que acrescentam muito a personalidade dos personagens e que ajudam o leitor a se localizar na história.

A escrita de A Batalha de Monte Dourado é prazerosa e fácil, o que faz com que o leitor leia com uma certa rapidez. A trama, que é interessante e prende o leitor, aumenta ainda mais essa sensação. O livro também vem com ilustrações, que são lindas e que acrescentam muito a história.

A Batalha de Monte Dourado trabalha no gênero do faroeste, mas traz à tona temas com o qual as pessoas podem se identificar, mesmo que não vivam na mesma época e não estejam na mesma situação, ao mesmo tempo, que apresenta uma aventura perfeita para fazer o leitor entrar na fantasia.

Título no Brasil: A Batalha de Monte Dourado

Título original: A Batalha de Monte Dourado

Autor: Hector Leandronic

Gênero: Aventura, Faroeste

Ano de lançamento: 2020

Editora: Alarde

Número de Páginas: 150

Link para compra: https://editora-alarde.lojaintegrada.com.br/montedourado

Um comentário em “Primeiras impressões: A Batalha de Monte Dourado, Hector Leandronic”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s